O silêncio da vida

“No início, é a capacidade de sonhar que se desvanece, devagarinho, quase sem darmos por isso. Depois, deixamos de ter expectativas, porque doem de mais, cada uma parece conduzir a mais um desengano, mais alguém que nos deixa magoados, perdidos perante a realidade. Depois, pouco a pouco, um pedacinho de cada vez, o silêncio instala-se dentro de nós, toma conta da alma e do coração, larga amarras e não parece que um dia parta.

Então submergimos nos dias, nas rotinas. Fazemos o que é esperado, sem levantar a voz, sem queixumes ou argumentações. Para quê? Não vale a pena.

E é quando chegamos aqui, a este momento exacto em que descobrimos com surpresa que nada parece valer a pena, que enco-lhemos como uma flor murcha, sentimos sem saber como, que definhamos por dentro, dia após dia.

Os outros dirão que ganhámos maturidade, que somos agora pessoas muito mais cordatas e pacificadoras. E nós acenamos com a cabeça, colamos o sorriso na cara e dentro de nós uma vozinha grita que não, que agora estamos a morrer e dantes vivíamos. Mas a vida é isto mesmo. Se calhar, o mesmo acontece àquele que trabalha ao nosso lado, à vizinha do terceiro andar, à amiga de toda a vida.

Mas evitamos falar do assunto, como se ao transformarmos este mal-estar em palavras, ele se tornasse muito mais real, muito mais concreto. É mais fácil assim. Sentamos à mesa e ouvimos os filhos falarem, tão cheios de certezas, tão seguros de si. E vêem-nos à memória o tempo em que também tínhamos certezas, o tempo em que não nos rendíamos, ah! Foi há tão pouco e parece ter sido noutra vida!”

Luisa Castel-Branco

Anúncios
    • Gustavo
    • 16 de dezembro de 2010

    Ai esta agora! Não fazia da Luisa esta poetisa! Ainda me lembro dela a expulsar concorrentes:
    Você é o elo mais fraco ADEUS!!!

    Bem, só tenho a dizer que alguns fogos têm que se apagar, enquanto que outros há, que precisam de faísca para começar.

    Esta gestão de potenciais “incêndios” é complicada e nem sempre perceptível.

    Acho que todos nós gostamos de viver ON FIRE, alegres , sonhadores , serenos e pode ser que seja possível de uma forma constante, convém é ter um extintor pertinho para apagar os indesejáveis. 😉

    • Coucou=) Só recentemente descobri que a excelentíssima jornalista, apresentadora e agora escritora Luisa Castel-Branco, tinha belíssimos textos, e ando de olho num livro “Para ti do fundo do coração”, da autoria desta grande senhora, que com certeza irei oferecer à minha pessoa=) eheh

      Caro Gustavo,
      Somos tantas vezes surpreendidos na vida por coisas boas e outras menos boas.. Tantas vezes se procuram respostas num mar confuso de incertitudes, em que não sabemos muito bem como lidar com certas situações.. Por vezes nos sentimos a ser esmagados, mas felizmente o ser humano é surpreendente..e às vezes basta voltar a acreditar no que defendemos, continuar em frente e”…jurar que é para sempre aquilo que é tão fugidio como areia entre os dedos…” 😉

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: